16 de set de 2012

13 de jun de 2010

Veado Catingueiro


Ameaçado
Nome vulgar: VEADO CATINGUEIRO
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Cervidae
Nome científico: Mazama gouazoubira
Nome inglês: Brocket deer
Distribuição: Panamá, Colômbia, Venezuela, Peru, Argentina e Brasil
Habitat: Florestas tropicais
Hábito: Diurno e Noturno
Comportamento: Solitário
Longevidade: 13 anos
Maturidade: 1 a 2 anos
Época reprodutiva: Julho a setembro
Gestação: 225 dias
Nº de filhotes: 01
Nº de crias: 01
Peso adulto: 8 a 25 Kg
Peso filhote: 510 a 967 g
Alimentação na natureza: Folhas, brotos e gramíneas
Alimentação em cativeiro: Capim, ração, vegetais e verduras
Causas da extinção: Em extinção, devido à caça e ao tráfico de animais
O veado-virá ou catingueiro, como é conhecido. A cor geral é marrom acinzentada. A cauda é branca no lado inferior. Os chifres são pequenos e simples, com cerca de 7 cm de altura. Atrás dos olhos e nos garrões possui glândulas de cheiro característico.
O nascimento é de um filhote por cria e este possui manchas, formando linhas longitudinais nos lados do corpo.
Anda em lugares abertos e dentro da mata. É muito rápido, capaz de desenvolver boa velocidade quando perseguido. Em fuga, atira-se na água, nadando bem, o que serve para salvar a vida de alguns exemplares da perseguição assassina de cães de caça ou do próprio homem.

Veado Mateiro


Ameaçado
Nome vulgar: VEADO MATEIRO
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Cervidae
Nome científico: Mazama americana
Nome inglês: Deer
Distribuição: Leste do México até o Norte da Argentina
Habitat: Campos e florestas do nível do mar até 5.000m
Hábito: Diurno e noturno
Comportamento: Solitário
Longevidade: 13 anos
Maturidade: Fêmea - 1 a 2 anos, Macho - 1 ano
Época reprodutiva: outubro a janeiro
Gestação: 225 dias
Nº de filhotes: 01
Nº de crias: 01
Peso adulto: 8 a 25 Kg
Peso filhote: 510 a 576 Kg
Alimentação na natureza: Gramíneas e brotos
Alimentação em cativeiro: Vegetais
Causas da extinção: Caça e destruição do habitat
Veado-mateiro, suaçupita, guatapará, guassu-pará e veado-pardo são nomes que designam um mesmo cervídeo sul-americano. Sua pelagem é castanho-ferruginosa, mais clara no ventre, esbranquiçada na garganta e quase preta em volta dos lábios e no focinho. Os chifres simples e delgados, que atingem 12 cm de comprimento, caem em junho e nascem novamente em agosto setembro e só existem no macho.
De hábitos solitários, o veado-mateiro pode, na época da reprodução, que varia de outubro a janeiro, pressentir a fêmea a grande distância, acasalando com ela durante uma ou duas semanas. Dessa união nasce, entre março e outubro, um único filhote, com listras brancas, irregulares distribuídas pelos flancos.
O veado-mateiro vive nas grandes florestas e matas que margeiam os rios. Daí sai pela manhã e à tarde, para procurar os capins de que se alimenta na orla das matas e dos caminhos. É caçado por sua carne e por sua pele; quando perseguido, interna-se nas matas ou atravessa os rios, pois é ótimo nadador.

URSO-MALAIO


Nome Comum: Urso malaio ou urso-dos-coqueiros
Nome em inglês: sum bear
Nome em espanhol: oso malaio
Nome científico: Helarctos malayanus
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Ursidae
Gênero: Helarctos
Comprimento: qaté 130 cm
Altura: até 60 cm
Peso: até 65 kg
Reprodução: uma cria por ano. De um a três filhotes em cada cria. Os filhotes ficam com a mãe por um ano
Período de gestação: 96 dias
Maturidade Sexual: 3 – 4 anos
Tempo de vida em cativeiro: 28 anos
Distribuição demográfica: encontrado sudeste asiático, de Myanmar e Tailândia à Malásia, Sumatra e Bornéu.
Habitat: vivem na selva tropical, sozinhos ou em pequenos grupos.
Alimentação: os ursos malaios são onívoros e seu alimento preferido é os brotos de coqueiros, mas o urso malaio come também insetos, pequenos mamíferos, aves, ovos e mel. Ele aprecia também os cupims.
Característica Física: Tem a cabeça grande, focinho comprido, olhos brilhantes e orelhas pequenas. A pelagem marrom-brilhante é áspera. As garras não são retraveis. É o menor dos grandes ursos ainda vivos e é chamado de “sun bear” (urso do sol) por causa de suas manchas visivelmente amarelo-alaranjadas no tórax.
Estilo de vida: Os ursos-malaios agarram superfícies com facilidade, devido às solas sem pêlos de seus pés, e suas garras curvas fazem com que sejam hábeis escaladores. Eles também usam suas garras fortes para abrir colméias e outros ninhos de insetos. Os menores entre os grandes ursos, estes animais passam grande parte do dia nas árvores, onde constroem abrigos para dormir.
Status: AMEAÇADO: Como o habitat do urso-malaio está se tornando cada vez mais limitado, às vezes ele procura alimento em terras cultivadas. Ele é caçado por causa de sua vesícula biliar e garras, usadas pela medicina tradicional chinesa. Por esses motivos, o urso-malaio está ameaçado de extinção.
O urso malaio filhote não é um animal perigoso. Na Índia ele é criado como bicho de estimação e os filhortes são admitidos nas casas, onde brincam com as crianças. Quando adultos, ele são mesno delicados e mais daninhos.

Tartaruga-de-couro Tartaruga Marinha


Ameaçado
NOME COMUM: Tartaruga marinha; tartaruga de couro; tartaruga-coriácea ou tartaruga-alaúde
NOME EM INGLÊS: Leatherback Turtle
NOME CIENTÍFICO: Dermochelys coriacea
FILO: Chordata
CLASSE: Reptilia
ORDEM: Chelonia
FAMÍLIA: Dermochelyidae
CARACTERÍSITCAS: Poucas espécies. Bico com dentes serrilhados. Escamas sobre a cabeça (os filhotes são cobertos de escamas) Ovos: aproximadamente 100 de cada vez
HABITAT: Águas tropicais. Está mais adaptada às águas frias devido à sua derme grossa e oleosa. Como resultado, é a mais amplamente distribuída; há registros em altas latitudes onde as temperaturas da água oscilam entre 10º C e 20º C.
STATUS: em perigo
ALIMENTO: É uma tartaruga carnívora, se alimentando basicamente de águas-vivas e de sua fauna acompanhante. Por causa desta alimentação, elas freqüentemente confundem sacos plásticos ou celofane com águas-vivas e correm o risco de morrerem por indigestão.
REPRODUÇÃO: As fêmeas normalmente desovam de 4 a 6 vezes por temporada, com 61 a 126 ovos por ninho. Normalmente mais da metade do ninho consiste de ovos pequenos e sem gema (não férteis). A incubação varia de 50 a 78 dias e a temperatura "ótima" é por volta de 29º C.
PREDADORES: Seus ovos e embriões são comidos por caranguejos, porcos e lagartos. Já os filhotes são predados por mamíferos, aves, peixes e lulas. Juvenis e adultos são atacados por tubarões e baleias Orca (Orcinus orca). Adultos são capturados em redes flutuantes para pesca pelágica e por linhas longas (Long-Lines) usadas para pesca de atum. Não há pesca comercial para esta tartaruga, mas em alguns lugares sua carne é usada como isca na pesca de tubarões.
HÁBITOS: Esta espécie tem hábitos *pelágicos e se aproximam da costa somente durante a temporada de reprodução. Também conseguem descer a grandes profundidades e estão bem adaptadas aos mergulhos profundos.
COMPRIMENTO: podem atingir 2 m de comprimento.
PESO: chegam a pesar até 600 kg. A maior tartaruga-de-couro que foi registrado era um macho encalhado na Costa Ocidental de Gales em 1988. Ele pesou 916 kg.
O governo Federal norte-americano listou a tartaruga-de-couro como em extinção mundial. Em 1982, Peter Pritchard calculou que existiam no mundo 115 mil fêmeas adultas e que a metade delas estavam vivendo no México ocidental. Porém, estimativas atuais são que apenas 20,000 a 30,000 tartarugas de couro fêmeas existem no mundo. Um esforço significativo está sendo feito pelo governo e agências de não governamentais e indivíduos privados para aumentar a consciência pública de conservação das tartarugas marinhas. Agências federais e Estatais e organizações de conservação privadas como o Centro para Conservação Marinha, Greenpeace e National Audobon Society, produziu e distribuiu uma variedade de ajudas auditivo-visuais e material impresso sobre tartarugas de mar.

O filhote desta tartaruga enorme tem todas as unhas, mas ele as perde quando se torna todas as unhas, mas ele as perde quando se torna adulto. Apenas o macho conserva uma unha, grande e recurvada, com a qual ele se agarra às costas da fêmea durante o acasalamento. Isto é necessário porque o acasalamento ocorre enquanto as tartarugas nadam. A característica mais marcante da tartaruga de couro é a consistência de sua carapaça. A carapaça não é constituída de placas ósseas, mas sim recoberta por uma pele grossa e coriácea. A tartaruga-de-couro também se distingue das outras no tamanho. É a maior tartaruga do mundo e algumas delas, quanto adultas, podem atingir 2 m de comprimento e chegam a pesar até 600 kg.

Usando as patas como nadadeiras, ela nada velozmente e é uma grande devoradora de peixes, moluscos e algas marinhas. Como as outras tartarugas, ela desova na areia da praia.
* Pelágico: - É a coluna d´água localizada no oceano aberto, após a quebra da plataforma continental. Um animal pelágico é aquele que vive, ou passa a maior parte de seu tempo, neste ambiente.

Tartaruga da Amazônia


Ameaçado

Nome vulgar: TARTARUGA DA AMAZÔNIA
Classe: Reptilia
Ordem: Chelonia
Família: Pelomedusidae
Nome científico: Podocnemis expansa
Nome inglês: Arrau turtle
Distribuição: Norte do Brasil, Guianas, Venezuela e Colômbia
Habitat: Baías dos grandes rios
Hábito: Diurno
Comportamento: Grupo
Longevidade: Acima de 100 anos
Época reprodutiva: Outubro a março
Reprodução: Incubação: 250 dias
Alimentação na natureza: Vegetais e peixes
Alimentação em cativeiro: Vegetais, peixes, carne moída e ração
Causas da extinção: Seus ovos e filhotes são utilizados como alimento pelos moradores da Região Amazônica.
Este réptil é um quelônio de água-doce, que habita o rio Amazonas e seus afluentes. Além de Tartaruga-do-amazonas, é conhecida também como Tartaruga Verdadeira.
O casco da Tartaruga-do-amazonas tem forma oval, sendo que os ossos são cobertos por um escudo córneo. Na carapaça, observamos um colorido preto, marfim ou alaranjado, com manchas escuras regulares. Possui patas curtas e potentes, sendo a anterior com cinco unhas e a posterior com quatro unhas. A cabeça é achatada e pequena e nela localizam-se os olhos, as narinas (na parte superior do focinho) e a boca.
Seu tamanho na fase adulta é de 80 cm de comprimento e 60 cm de largura, podendo pesar até 60 Kg. Sua média de vida é acima de 100 anos.
Os inimigos naturais da Tartaruga-do-amazonas, quando filhotes, são os urubus, as piranhas, os jacarés, os jaús e alguns peixes grandes.
A época de reprodução desses répteis vai de setembro a dezembro, quando a tartaruga enterra uma média de 60 a 100 ovos em um buraco de 44 a 56 cm de profundidade, espalhando areia para cobri-los e camuflar o local. Dentro de 45 a 60 dias depois nascem as tartaruguinhas, que imediatamente correm para o rio. O local da postura é chamado de tabuleiro.
Os filhotes alimentam-se de pequenos peixes e plantas aquáticas. O alimento preferido das tartarugas adultas são as frutas, que variam conforme os meses do ano, devido à época de amadurecimento.
Apesar do nome, a "Tartaruga-do-amazonas" é, na verdade, um cágado, já que a tartaruga é um termo empregado aos quelônios marinhos.
A Tartaruga-do-amazonas é utilizada como fonte de alimento e de óleo (para abastecer lampiões e lamparinas), matéria-prima para cosméticos, sua carapaça como bacia e sua pele é boa para fazer tamborins e tabaco. Ela correu risco de extinção na década de 70, ao ser construída a Transamazônica.

Tangará


Ameaçado
NOME COMUM: Tangará
OUTRO NOME: Saíra-pintor
NOME CIENTÍFICO: Tangara fastuosa
NOME EM INGLÊS: Seven-coloured Tanager
FILO: Chordata
ORDEM: Passeriformes
FAMÍLIA: Thraupidae
COMPRIMENTO: 13,5 cm
ALIMENTAÇÃO: A alimentação básica na natureza consiste de pequenas frutas e bagas, insetos que recolhem nas folhagens e ramos.
DISTRIBUIÇÃO: Espécie exclusiva da região Nordeste. Ocorre no litoral de Pernambuco à Alagoas.
HABITAT: Vive nas porções remanescentes de Mata Atlântica no
Nordeste.
CARACTERÍSTICAS: Bico cônico, triangular na base.
NINHO: Ninho em forma de taça rasa, contruído nos galhos de árvores.
OVOS: 3 ou 4 por vez. 15-17 dias de incubação
MATURIDADE SEXUAL: 12 meses
PERÍODO DE REPRODUÇÃO: Primavera e verão
AMEAÇA: . As populações da espécie só existem no litoral de Pernambuco e Alagoas. Foram ao longo dos anos muito perseguidas pelos criadores de pássaros. Hoje elas estão em estado crítico devido e encontra-se ameaçada de extinção, devido principalmente à forte pressão de caça para abastecer o comércio ilegal de aves silvestres e também à rápida degradação de seu habitat
O Tangará é conhecido no Brasil desde o século XVII, quando um naturalista de nome Macgrave visitou nosso País e descreveu inúmeros representantes da nossa fauna e flora. Esta ave da um toque latino-americano à América do Norte durante a primavera e o verão. A maior parte das 200 espécies de tangarás vive na América Central e do Sul, embora existam 4 espécies que procriam nos Estados Unidos e Canadá.
O macho, durante a época de acasalamento, apresenta cores brilhantes, enquanto as fêmeas são menos vistosas. Depois da temporada de acasalamento, a plumagem do machos de tangará norte-americano são vermelhos, mas o tangará que habita as montanhas do oeste do EUA é amarelo com asas pretas e rastro vermelho.
Há tangarás menores que um pardal e outros maiores que uma pega. Todos têm bico cônico. O tangará raramente pousa no chão, passando a maior parte do tempo em árvores ou arbustos. Alimenta-se de frutas, grãos, sementes e insetos. Algumas espécies vivem em bandos; outras são solitárias. O nome tangará vem do tupi tãga 'rá.

Tamanduá-bandeira


Ameaçado

Nome vulgar: TAMANDUÁ-BANDEIRA
Classe: Mammalia
Ordem: Xenarthra
Família: Myrmecophagidae
Nome científico: Myrmecophaga tridactyla
Nome inglês: Giant anteater
Distribuição: Nos campos e cerrados da América Central e do Sul.
Habitat: Florestas, savanas e cerrados das Américas do Sul e Central.
Hábitos: Vive no chão, mas sobe bem nas árvores e é capaz de nadar. Come 30 mil insetos por dia.
Longevidade: 25 anos
Tamanho: até 120 cm, mais 90 cm para a cauda.
Época reprodutiva: Primavera
Gestação: Incubação: 190 dias
Nº de filhotes: um de cada vez
Alimentação na natureza: Formigas, cupins e larvas.
Alimentação em cativeiro: Nos zoológicos não existem tantos insetos e o tamanduá não come o que não gosta. Quase todas as espécies criadas em zoológicos morrem antes de ter filhotes.
Causas da extinção: Destruição do meio ambiente (queimadas e caçadores).
O tamanduá-bandeira passeia calma e tranqüilamente com seu longo focinho cônico voltado para o chão. Ele está procurando alimento. Seu olfato bem desenvolvido vai levá-lo fielmente ao alvo. Uma vez encontrado o formigueiro, o tamanduá cava a terra com suas fortes garras e mete o focinho no buraco. Sua língua pegajosa, de mais de meio metro de comprimento, explora as galerias do formigueiro. depois de pegar um número grande de formigas, o tamanduá recolhe a língua.
O tamanduá não possui dentes. O estranho desdentado caça de dia nos campos cerrados e nas florestas da América Central e do Sul, desde a Guatemala até a Argentina. Quando vive próximo das cidades, ele sai principalmente à noite. É cauteloso, pacífico e solitário. defende-se com as fortes garras das patas dianteiras. Seu principal alimento são as formigas, os cupins e larvas. Come também vermes e pequenas centopéias. Na primavera, a fêmea dá à luz um filhote que carrega nas costas até cerca de um ano de idade.

Surucucu


Ameaçado
Nome vulgar: SURUCUCU
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Família: Viperidae
Nome científico: Lachesis muta
Nome inglês:Bushmaster
Distribuição: Florestas tropicais úmidas da América Central e do Sul.
Habitat: Florestas tropicais úmidas. Podem ser ocasionalmente encontradas em florestas secundárias mas em áreas recentemente alteradas ou próximas a florestas inalteradas
Hábito: Noturno
Comportamento: Agressivo. A literatura cita que pode desferir botes com distância equivalente a 4/5 de seu corpo.
Longevidade: Dados não disponíveis.
Maturidade: Dados não disponíveis.
Época reprodutiva: O período de reprodção é normalmente de outubro a março.
Gestação: Põe ovos. Período de incubação de 76 a 79 dias em cativeiro.
Alimentação na natureza: Pequenos mamíferos.
Alimentação em cativeiro: roedores
Causas da extinção: Tráfico de animais e destruição do habitat
A surucucu é uma das maiores serpentes venenosas do mundo. pertence à família dos Critalídeos, mas sua cauda não tem guizos, com a da cascavel. O naturalista sueco Lineu denominou-a "crótalo mudo", e o adjetivo passou para seu nome latino. Mas na realidade a cauda desse animal termina numa espinha córnea, que denuncia a sua presença quando ele passa no meio dos arbustos. É encontrada em florestas tropicais úmidas da América Central e do Sul. Seu corpo é marrom-escuros contornados de verde amarelado.
A surucucu caça à noite, principalmente roedores. Como a maioria dos crótalos, ela é dotada de fosseta loreal entre o olho e a narina; são orifícios com o fundo revestido por uma membrana sensível a pequenas variações de temperatura. ao mesmo tempo, ela possui uma cobertura móvel que lhe permite localizar a fonte de calor. A surucucu caça principalmente animais de temperatura constante, pois pode seguir sua pista não só pelo odor como também pela "trilha quente! que eles vão deixando atrás de si. Ao contrário dos outros crótalos, a fêmea não dá à luz filhotes vivos, mas põe ovos.

SUÇUARANA


Ameaçado
Clique aqui para ouvir o som de uma fêmea com o filhote
NOME COMUM: Suçuarana, puma, onça-parda
NOME CIENTÍFICO: Felis concolor
NOME EM INGLÊS: Cougar/Mountain Lion/Puma
FILO: Chordata
CLASSE: Mammalia
ORDEM: Carnívora
FAMÍLIA: Felidae

CARACTERÍSTICAS:
Comprimento: até 2,40 m
Altura: até 63 cm
Peso: até 100 Kg
Período de gestação: de 86 a 95 dias
Ninhada: 2 a 3 filhotes
Período de vida: 15 anos
A suçuarana também é conhecida como puma e onça parda. Conta-se que uma só suçuarana matou 15 carneiros selvagens durante uma saída para caçar. Por outro lado, ela raramente ataca o homem e tem tanto medo de cães que sobe em árvores para escapar deles quando a acuam.
A suçuarana ocorre nas Américas, desde o Canadá até quase o extremo da América
do Sul. Seu pelo é em geral bege rosado, mas pode ser cinza, marrom ou cor de ferrugem. O comprimento do pelo varia conforme o habitat - vai de curto a muito longo.
A suçuarana está à vontade em cima das árvores; equilibra-se com a cauda felpuda ao saltar de galho em galho.
A suçuarana é um animal solitário e prefere viver em lugares de difícil acesso - florestas, desertos e montanhas. Geralmente caça ao entardecer. O carneiro selvagem, o veado e o caititu constituem suas presas habituais. Os adultos se comunicam por meio de uma espécie de silvo estridente. A fêmea tem a cria em cavernas ou em cepos ocos. Os filhotes abrem os olhos com 10 dias e ficam com a mãe até os 20 meses.